segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Algumas dualidades

Para o medo, compreensão
Para a vida, aprendizagem
Para a morte, naturalidade
Para achar-se, perder-se
Do caos construir algo novo.

7 comentários:

  1. Feliz construção, amiga e faça um favor a si mesma e ao Universo: Enlouqueça... Doa a quem doer. Ninguém a não ser você mesma sabe o que realmente pode satisfazer sua alma. Beijo. Te admiro muito.

    ResponderExcluir
  2. Para tudo na vida do homem existe um motivo,um pq, ou seja,uma finalidade. Basta cada um buscar o significado de ''suas dualidades'' e decifrar os enigmas.

    ResponderExcluir
  3. Obrigada, Tony, por vocês existirem!!!

    ResponderExcluir
  4. Oi, Laura, bom dia!!
    Não sei que mais amei neste poemeto lindo como um nascer de sol. já desde o título, é maravilhoso: “Algumas dualidades”. É maravilhoso porque o casamento que se segue é tão perfeito, e traz tanta e tão profunda Filosofia para dentro de cinco linhas e vinte e um termos, que é um verdadeiro milagre de economia e beleza. E isso é poesia!
    Da minha parte, encantado.
    Um beijo carinhoso
    Lello

    ResponderExcluir
  5. Continue poetizando, Lorena!!
    Não te conheço,mas é uma ordem!! rsrsrs
    Poste mais poesia sua, nunca
    pare de escrever, ok? Isso poderia
    ser um crime!! Leve fé. Continue
    nesse caminho,ele é muito belo

    ResponderExcluir